sexta-feira, 30 de novembro de 2012

P-3AM realiza missão de guerra antisubmarina na OPERACÃO ATLÂNTICO veja o vídeo


Já era quase noite, quando o P-3AM Orion, chamado de Guardião do Pré-Sal, decolou da Base Aérea de Florianópolis, na quarta-feira, 20, para detectar, identificar e localizar um suposto submarino inimigo no mar territorial da região Sul.

No treinamento conjunto com a Marinha, os militares empregaram equipamentos e táticas reais em um ambiente de guerra simulada. Curvas apertadas e voo a baixa altura são as características exigidas neste tipo de missão.

A aeronave com modernos sensores e vários operadores especialistas a bordo varreu uma área delimitada pela Marinha em busca de ameaças que pudessem cruzar o o caminho da Força Naval amiga lá embaixo. No jargão militar, a ação é chamada de guerra antissubmarina (ASW, na sigla em inglês).

Durante o exercício, o P-3AM lançou sonobóias, equipamentos que captam sons emitidos por submarinos e embarcações. Em contato com a água do mar, as sonobóias se abrem e hidrofones passam a enviar para os computadores a bordo as informações sonoras.


Durante oito horas de voo, mais de 70 embarcações reais foram registradas pelos sensores e analisadas pelos operadores que têm alto grau de especialização. Um deles, por exemplo, é especialista em identificar o tipo de embarcação ou submarino apenas pelo som das hélices. "Cada navio ou submarino têm uma assinatura acústica, como se fosse uma impressão digital", explica o técnico em comunicações formado pela FAB.

Além dos modernos sensores eletrônicos, a autonomia também é outro diferencial do P-3AM. O quadrimotor pode permanecer em voo durante 16 horas - o que equivalente a uma viagem de Recife a Madri sem escalas. Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance.

O treinamento faz parte da Operaçao Atlântico que reúne até o fim do mês 10 mil militares em uma faixa do litoral entre Santa Catarina e Espírito Santo.

Coordenado pelo Ministério da Defesa, a manobra militar aprimora técnicas e doutrinas de forma conjunta para a defesa dos recursos do mar e das estruturas estratégicas do Brasil como portos, refinarias e usinas hidrelétricas.


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

P-3AM participa pela primeira vez de exercício coordenado pela Defesa



Chamadas de "Guardiães do Pré-Sal", as poderosas aeronaves de patrulha P-3AM deixaram a sede em Salvador e operam a partir da Base Aérea de Florianópolis (BAFL), durante a Operação Atlântico III, que reúne a Marinha, o Exército e a Força Aérea Brasileira (FAB) na área marítima entre as regiões Sul e Sudeste do país, que integram a Amazônia Azul.

É a primeira vez que as aeronaves de patrulha marítima P-3AM participam de uma operação coordenada pelo Ministério da Defesa. “Exercícios militares como esse se traduzem em um importante ganho operacional para as nossas tripulações”, afirma o Comandante da Força Aérea Componente 106 (FAC -106), Major-Brigadeiro Carlos Eurico Peclat dos Santos, responsável pelo emprego de todos os meios aéreos no treinamento.

A Operação iniciada nesta segunda-feira (19/11), mobiliza 10 mil militares que aprimoram técnicas e doutrinas de forma conjunta para a defesa dos recursos do mar e das estruturas estratégicas do Brasil como portos, refinarias e usinas hidrelétricas. Até o fim do mês, as três Forças vão realizar manobras que incluem controle de tráfego marítimo e aéreo, patrulha marítima, missões de interceptação, transporte aéreo logístico e defesa antiaérea.

Além do quadrimotor P-3AM, a Força Aérea Brasileira disponibiliza ainda aeronaves de ataque, de patrulha, de transporte e helicópteros. A Marinha emprega navios escolta, navios de apoio, submarinos, navios-patrulha e helicópteros. O Exército participa da operação com viaturas de transporte, blindados e ambulâncias.
Sistema de combate FITS do P-3AM 

O comando da Operação Atlântico está a cargo do Almirante-de-Esquadra Gilberto Max Roffé Hirschfeld, Comandante de Operações Navais, que terá o apoio de um Estado-Maior Conjunto, sediado no Rio de Janeiro.

Além das atividades militares, serão realizadas Ações Cívico-Sociais (ACISO) na área do exercício. Comunidades locais receberão atendimentos médicos e odontológicos realizados por profissionais militares de saúde.

SAIBA MAIS SOBRE O P-3AM

O P-3AM Orion devolveu há cerca de um ano à Força Aérea Brasileira a capacidade de detectar, localizar, identificar e, se necessário, afundar submarinos. É o que o jargão militar chama de guerra antissubmarina (ASW, na sigla em inglês).

Além da capacidade ASW, o P-3AM também carrega armamentos como os mísseis Harpoon, capazes de afundar navios de guerra além do alcance visual. Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo durante 16 horas - isso equivale a uma viagem de Recife a Madri sem escalas. Os sensores eletrônicos embarcados na aeronave estão entre os mais modernos que existem e foi desenvolvido pela empresa espanhola CASA o nome do sistema do P-3AM é FITS - Fully Integrated Tactical System, um sistema tático que integra os subsistemas de comunicação e de vigilância (radar, MAGE, FLIR, sonobóias), com os sistemas de armas das aeronaves (mísseis, torpedos pesados e sistema de autoproteção), resultando numa plataforma capaz de atuar nas diversas missões para as quais a aeronave foi concebida.
O FITS usa uma arquitetura de hardware com processadores de 64 bits, sistema operacional UNIX e VxWorks, utilizando o X-Windows, X-Motif e programação em C++.

O sistema tático de missão trabalha com um processador de gerenciamento de dados táticos, que controla em tempo real os processos e interfaces dos sensores e do sistema de navegação.

Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance. Soberania - A Petrobrás estima que a camada do pré-sal contenha o equivalente a cerca de 1,6 trilhão de metros cúbicos de gás e óleo. Toda essa riqueza encontra-se no Oceano Atlântico, na zona econômica exclusiva (ZEE) brasileira. O P-3AM esta envolvida na vigilância dessa área.

Além do patrulhamento dessa área estratégica, o P-3AM assumiu um papel determinante nas missões de busca e salvamento. Por força da Convenção de Chicago, assinada com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), o Brasil é responsável pela busca e salvamento de aeronaves e navios numa área de mais de 6 milhões de km² (praticamente todo o Atlântico Sul).

Os P-3AM da FAB equipam o Esquadrão Orungam (1º/7º GAV) que opera na Base Aérea de Salvador, uma unidade histórica para a Aviação de Patrulha brasileira.

A aeronave também ajuda na defesa do meio ambiente, identificando os responsáveis pelo derramamento de óleo, tanto acidentais quanto provocados. Algumas embarcações que transportam petróleo costumam lavar os tanques com a água do mar. Essa prática criminosa deixa uma mancha de óleo que polui e afeta a vida marinha. Os sensores do P-3AM conseguem identificar os rastros na superfície do mar e, desta forma, rastrear a embarcação, mesmo muitas horas depois da abertura dos tanques. O P-3AM pode fotografar o navio infrator e encaminhar as fotos com um relatório para as autoridades ambientais, que com as provas poderão aplicar multas.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Avibras vende 36 plataformas de lançamento de Foguetes Astros II à Indonésia

Astros II


A Indonésia adquiriu 36 plataformas de lançamentos múltiplos de Foguetes Astros II da fabricante brasileira Avibras por US$ 350 milhões, informou a publicação especializada "Janes Defence Weekly".

A operação comercial entre o Ministério da Defesa indonésio e a Avibras foi estipulada durante a feira internacional de materiais militares Indo Defence, realizada nesta semana em Jacarta.

Astros II
Salva de foguetes de uma bateria Astros II da Avibras
O acordo contempla o mesmo número de veículos para o transporte das plataformas de lançamento, controle de disparo, manutenção e treinamento para a utilização das armas.

As empresas estatais indonésias da indústria militar - PT Pindad e PT Dirgantara e o Instituto Nacional Aeronáutico e Espacial assinaram com a Avibras um memorando de entendimento para a troca de tecnologia e de fortalecimento da cooperação em matéria de defesa entre Indonésia e Brasil.

Confira abaixo video sobre o Astros II

sábado, 10 de novembro de 2012

Ministro da Defesa assiste disparo real de Leopard 1A5

Leopard 1A5

Assista, neste Exército Notícias, a visita de uma comitiva do Ministério da Defesa e do Comando do Exército a Santa Maria, considerado um dos pólos tecnológicos da Força Terrestre. Na ocasião, foram disparados tiros reais do carro de combate Leopard 1A5, durante um exercício em andamento coordenado pela 3ª Divisão de Exército.

Assista o video para ver o disparo do Leopard 1A5

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Continuam os Assasinatos em São Paulo Governo de São Paulo tenta adotar medidas para acabar com violência

PM SP

Nos últimos 30 dias, 191 pessoas foram assassinadas na capital paulista e na região metropolitana de São Paulo, conforme mostrou reportagem do SPTV exibida na noite desta terça-feira (6).

Entre a noite de segunda até as 8h30 desta terça, foram dez mortos, a maioria na Zona Norte da capital paulista.

Desde 8 de outubro, a Vila Brasilândia foi o bairro com mais assassinatos: 11 dos 24 casos registrados na Zona Norte. Na região Sul foram registradas 35 mortes violentas. A Zona Leste foi a que mais teve assassinatos em um mês: 38.

Na região metropolitana, Embu das Artes foi a cidade que teve o maior número de mortes nesses 30 dias, com 12 casos.

Entre as mortes registradas no fim da noite de segunda, uma delas foi registrada pelas câmeras de segurança de uma rua no bairro Imirim, na Zona Norte. Dois carros param na rua e um homem sai dem um táxi armado. Ele segue para o lado do motorista do carro preto e atira ao menos quatro vezes. Os assassinos vão embora. Desgovernado, o carro das vítimas desce de marcha-ré e bate.

Tiago de Souza Serrão, de 27 anos, morreu. O irmão dele, que era o carona, foi ferido gravemente. Eles são filhos de um ex-policial das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), tropa de elite da PM paulista.

Na Vila Brasilândia, também na Zona Norte, homens em um carro passaram atirando em pessoas que conversava na calçada. Duas morreram. Na mesma região, criminosos também atiraram mais de dez vezes em um grupo que estava na frente de um bar. Quatro pessoas morreram, entre elas William Machado de Sousa, de 13 anos.

Esses números criam uma situação de insegurança entre os moradores. “Sai de manhã para trabalhar, mas não sabe se vai voltar, né. Então, com isso tudo acontecendo, é pior ainda à noite”, disse um homem que não quis se identificar.

 

Governos federal e de SP anunciam ação integrada contra violência


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciaram na tarde desta terça-feira (6) uma ação integrada de combate à violência no estado. Eles se reuniram no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, para discutir parcerias.

Alckmin disse que seis pontos foram definidos. Um dos destaques é a criação de uma agência de inteligência com atuação integrada, cuja primeira reunião deve ocorrer na próxima segunda-feira (12). Segundo o ministro da Justiça, um dos objetivos do grupo é "desenhar o plano de contenção" contra a violência que será apresentado na segunda. "Para operação imediata”, afirmou Cardozo.

Alckmin ressaltou que as ações definidas já serão colocadas em prática e divulgadas progressivamente. "A parceria é ilimitada, mas fruto dessa reunião de trabalho foram seis itens aqui elencados", comentou o governador.

Os seis pontos citados por Alckmin são: criação da agência de atuação integrada, ações relacionadas ao sistema prisional (que inclui transferência de presos), ações de contenção nos acessos ao estado, combate ao crack, possibilidade de criar um centro pericial e criação de um centro de comando de controle integrado.

"Quero destacar que foi uma reunião proveitosa, bastante objetiva, já com metas e datas para a gente poder avançar nesse trabalho", disse Alckmin ao fim do encontro.

Agência integrada

De acordo com governador e ministro, a futura agência de atuação integrada vai unir as inteligências dos governos estadual e federal.

“Relatórios de inteligência vão nos permitir fazer o asfixiamento financeiro das organizações criminosas que atuam no estado. Juntos, governos federal e estadual são muito mais fortes que o crime organizado”, disse o ministro.

De acordo com Cardozo, as polícias e os órgãos fiscais devem respeitar suas áreas de atuação e contribuir para o cerco às organizações criminosas. "É sabido que o asfixiamento financeiro é algo fundamental para enfraquecer organizações criminosas e, por isso, tanto a Receita Federal quanto a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo estarão, juntas, atuando conosco”, disse.

Transferência de presos

O ministro disse que foi acertada a transferência de presos, mas que não serão informados os nomes e as datas, por questão de segurança. "Dado de segurança pública não se comenta”, justificou. “É muito importante que fique claro: aqueles que cometeram delitos nesse período já serão transferidos e aí vão se avaliar outros presos”, disse Cardozo.

O governador adiantou que detentos envolvidos na morte de policiais e de agentes penitenciários serão prioridade nessas transferências. Entre a noite de segunda-feira (5) e a madrugada de terça (6), oito pessoas foram mortas em São Paulo. Desde o início do ano, 90 policiais foram assassinados.


Controle de acessos

Segundo o ministro, a parceria entre os governos também tem como objetivo atuar nos acessos ao estado, tanto por terra quanto pelos portos e pelos aeroportos. Ele afirmou que policiais rodoviários federais e estaduais trabalharão em conjunto principalmente nas estradas próximas das divisas.

Polícias rodoviárias Federal e Estadual, Polícia Federal, Secretaria da Segurança Pública (SSP) devem fazr fiscalizações conjuntas com a Secretaria da Fazenda e a Receita Federal. Ainda de acordo com o ministro, o Porto de Santos deve ter atenção especial. "Isso vai fazer com que o combate a diversas formas de crime seja mais eficiente. Também estaremos atuando de uma forma muito significativa em operações conjuntas", disse.

Central de perícia

Cardozo prevê ainda que as técnicas de perícia também sejam fortalecidas. Segundo o ministro, a tecnologia será fundamental no combate ao narcotráfico, principalmente para a descoberta da origem da droga. “Estabelecemos ainda protocolos na área de perícia. Temos que fortalecer a perícia e São Paulo tem uma perícia de excelência, mas nós podemos ampliar sua atuação”, afirmou o ministro.

Alckmin avalia que incrementos no setor pericial podem ser elaborados em uma nova estrutura e beneficiar demais unidades da federação. "Nós podemos ter até um centro pericial para servir a outros estados, com bastante especialidade", disse o governador.

Centro de controle integrado

Alckmin e Cardozo afirmaram que vão trabalhar para atuar de forma conjunta em ações de monitoramentos. O ministro da Justiça apontou que São Paulo tem experiência "positiva" com as bases comunitárias. "A ideia seria fazer bases comunitárias móveis, como nós temos aplicado em alguns estados", disse Cardozo.

Segundo o ministro, o objetivo é ter videomonitoramento em áreas atendidas por bases móveis para ações de segurança e de combate ao tráfico.

Combate ao crack

No debate de parcerias contra o consumo do crack, o ministro da Justiça afirmou que será discutida a implementação do programa “Crack, é possível vencer”. Segundo ele, já houve a assinatura da parceria e a definição da implantação vai delimitar forma de atendimento dos usuários em São Paulo.

Reunião ocorre após polêmica
A reunião na capital paulista ocorreu após a presidente Dilma Rousseff e Alckmin encerrarem, na quinta-feira (1°), a polêmica entre Cardozo e Ferreira Pinto. O ministro e o secretário divergiram sobre a oferta de ajuda. Cardozo afirmava ter oferecido, desde julho, inteligência e transferência de presos. O secretário dizia não ter recebido proposta e que teve negado pedido de recursos na ordem de R$ 149 milhões para equipamentos.

Sobre a verba, Cardozo não respondeu se ela seria liberada, mas se mostrou receptivo aos pedidos. “Nós recebemos de todos os estados pedidos de recursos e é absolutamente legítimo que se faça. Nós obviamente iniciamos processos de discussão com os estados para formar parcerias. Neste momento estamos formando uma muito importante e muito significativa”, afirmou.

Questionado sobre a possível presença em São Paulo do Exército e da Força Nacional, o ministro negou. “Não é necessário. São Paulo tem 130 mil homens na PM e 30 mil homens na Polícia Civil, portanto não há a necessidade de que nesse momento se utilize Forças Armadas."

Autoridades
Ao todo, 29 pessoas participaram da reunião no Palácio dos Bandeirantes. Entre os representantes do governo federal estiveram, além do ministro, a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, o diretor do departamento penitenciário nacional, Augusto Eduardo de Souza Rossini, e a diretora-geral da Polícia Rodoviária Federal, Maria Alice Nascimento Souza.

Pelo governo do estado, além de Alckmin e de Ferreira Pinto, participam o secretário de estado chefe da Casa Civil, Sidney Beraldo, o diretor da secretaria de Administração Penitenciária, Lourival Gomes, o comandante da Polícia Militar de São Paulo, Roberval França, e o delegado geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro.

Gabinete de crise
Mais cedo, em Aracaju, o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Sartori, afirmou que vai criar, conjuntamente com integrantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um gabinete de crise para monitorar a onda de violência no estado.

Reunido com o corregedor nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, Sartori ligou de Aracaju (SE) para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para informá-lo sobre a decisão do Judiciário.

Mortes na Zona Norte
Oito pessoas foram mortas entre a noite de segunda-feira (5) e a madrugada desta terça-feira (6) em São Paulo. Um dos casos de ataque foi filmado por câmeras de segurança de um prédio: dois filhos de um ex-policial foram alvo de disparos. Também no mesmo período, dois ônibus foram atacados por criminosos na região da Vila Brasilândia e, outro, em Santo André, no ABC.

Na Vila Brasilândia, região onde ocorreu a maioria dos crimes desta madrugada, ônibus não circularam nesta manhã. Em uma escola estadual, os alunos não tiveram aula. Segundo um aviso na portaria, as aulas foram suspensas por causa de um suposto "toque de recolher".

A Secretaria de Estado da Educação negou que tenha recebido qualquer comunicado sobre o toque de recolher por parte da Secretaria da Segurança Pública e informou que as aulas terão que ser repostas.

Nesta tarde, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, irá se reunir com o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, para tratar do apoio do governo federal ao estado.


Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/11/governos-federal-e-de-sp-anunciam-acao-integrada-contra-violencia.html e http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/11/quase-200-pessoas-sao-mortas-em-um-mes-na-capital-e-na-grande-sp.html



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Polícia Militar de SP compra novas submetralhadoras

Taurus SMT.40


A Polícia Militar de São Paulo comprou submetralhadoras Taurus SMT.40 para seus oficiais.De acordo com a corporação, "a submetralhadora foi comprada com o intuito de aumentar o número desse tipo de armamento". A PM, porém, faz a ressalva que "as submetralhadoras anteriores são tão eficientes quanto essas e não serão retiradas de uso".

Segundo a Taurus, fabricante da arma, a submetralhadora pesa 3,270 kg - com carregador -, tem 30 cartuchos e tem 470 mm de comprimento. A PM não pode informar quantas armas foram adquiridas por medida de segurança. Cada submetralhadora é avaliada em R$ 4,5 mil.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6252320-EI5030,00-Policia+Militar+de+SP+compra+novas+submetralhadoras.html