terça-feira, 22 de outubro de 2013

Governo leiloou o Campo de Petróleo de Libra do Pré-sal

Plataforma da Petrobras


A educação e a saúde do Brasil serão as maiores beneficiadas com a realização do leilão do Campo de Libra nesta segunda-feira. Foi a garantia que a presidente Dilma Rousseff deu em rede nacional à noite, horas depois de o Consórcio da Petrobras, Shell, Total, CNPC, CNOOC vencer leilão de Libra, com proposta única. Ela ressaltou que 85% da renda do Campo de Libra vão pertencer ao Brasil.

“O leilão de Libra representa marco na história do Brasil. Seu sucesso vai se repetir nas futuras licitações do pré-sal”, afirmou Dilma. “R$ 736 bilhões serão investidos exclusivamente em educação e saúde. A educação receberá 75% deste montante e a saúde, 25%”, frisou a presidente.

A presidente declarou que há “equilíbrio justo” entre os interesses do Estado e das empresas que vão explorar e produzir o petróleo. “Pelos resultados do leilão, 85% de toda a renda a ser produzida no Campo de Libra vão pertencer ao Estado brasileiro e à Petrobras. Isso é bem diferente de privatização. As empresas privadas parceiras também serão beneficiadas, pois ao produzir essa riqueza vão obter lucros significativos, compatíveis com o risco assumido e com os investimentos que estarão realizando no país”, ponderou.

“Começamos a transformar uma riqueza finita, que é o petróleo, em um tesouro indestrutível que é a educação de alta qualidade”, declarou a presidente. "Em uma década Libra pode representar sozinho 67% de toda a produção atual de petróleo do Brasil", acrescentou. Dos 70% arrematados pelo consórcio, 20% são da Shell e 20% da Total. A CNPC e a Cnooc têm, cada uma, 10%, assim como a Petrobras, que já tinha garantidos 30%.

Governo não cogita mudar modelo de partilha e classifica leilão de Libra como "sucesso absoluto"


O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o governo não está cogitando mudar o modelo de partilha de empresas privadas com a Petrobras para a produção de petróleo da área do pré-sal, que é alvo de críticas de especialistas. "Modelo de partilha convive com concessão. Não vejo razão para mudança no modelo", destacou, ressaltando que sua avaliação está baseada no resultado do leilão desta segunda-feira, 21, considerado 'um sucesso' pelo ministro. "Sempre buscaremos modelos atraentes para as empresas", destacou.

Segundo o ministro, a Petrobras tem recursos mais que suficientes para pagar sua parte de R$ 6 bilhões, relativos aos 40% de participação no consórcio, dos bônus de assinatura previsto no edital do leilão de Libra. "O pagamento do bônus do leilão será feito na assinatura dos contratos, entre 30 e 45 dias", disse. Ou seja, ressaltou o ministro, esse desembolso de recursos deve ocorrer até o início de dezembro.

Ele evitou relacionar um eventual reajuste dos combustíveis, que é esperado há meses, com a necessidade de recursos da Petrobras para honrar o compromisso. "Reajustes dos combustíveis virão quando forem considerados necessários. Neste momento não há nada definido."

Mantega disse ainda não haver nenhum pedido de financiamento das empresas vencedoras do leilão de Libra junto ao BNDES. Mas ressaltou que nada impede que as companhias solicitem recursos para o banco oficial e sejam atendidas. O ministro calcula que a participação das estrangeiras no consórcio vencedor deve gerar o ingresso de US$ 4 bilhões de recursos no País no curto prazo.

Mantega ressaltou que não sabe se haverá uma nova rodada de leilão de poços de petróleo da área do pré-sal em 2014 e 2015. Segundo ele, tal questão deve ser avaliada pela ANP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...